2

Voltamos.... Que tal uma Focaccia e uma salada crocante de abobrinhas.




Focaccia com Salada Crocante de Abobrinhas e Mussarela de Búfala.

 
Sumimos, mas não foi para sempre e já estavamos com saudades. Desde março que não postavamos nada. Nosso primeiro semestre foi de muita correria, preparando a chegada do nosso Bento, além de muito trabalho. E os primeiros meses do nosso pequeno foram dedicados a ele. A Karina continuou cozinhando, afinal, comer bem é fundamental e, claro, armazenamos algumas receitas para postar para vocês. Mas para retomar nosso blog duas receitas fresquinhas, feitas hoje (24/11/2012) mesmo, com um sotaque italiano: Focaccia e salada crocante de abobrinha.
As duas receitas foram vistas em programas na TV. A focaccia a Karina viu no programa da Rita Lobo, Cozinha Prática, e a salada eu assisti no programa do Jamie Oliver, ambos no GNT. As receitas desse post foram feitas por mim. Então vamos mudar o nome do blog (temporariamente) para Eu cozinho e conto.
Então chega de conversa fiada e vamos as receitas:

Focaccia

A Focaccia era conhecida na Roma Antiga como panis focacius e era assado no "assoalho"dos fornos a lenha, dai o seu nome derivado do latin focus, que significa "local para assar".  A receita tradicional desse pão é a massa com azeite de oliva, sal e ervas e é essa que vamos fazer. Então vamos meter a mão na massa!

Ingredientes:
Fermento
1 ½ xícara (chá) de água
1 xícara (chá) de farinha de trigo
15g (ou 1 tablete) de fermento biológico
1 colher (sopa) de mel
2 colheres (sopa) de azeite
Pão 2  ½ xícaras (chá) de farinha de trigo
2 colheres (chá) de sal

Cobertura e montagem: 1 ramo de alecrim
Sal grosso moido na hora, o quanto baste
Azeite de oliva, o quanto baste


Fazendo o fermento:
Amorne 1 ½ xícara (chá) de água, mas não deixe ferver, para o calor não matar o fermento, aí já era teu pão.  Numa tigela, misture o fermento com o mel, até a mistura ficar homogenêa, uma dica legal que a Rita Lobo falou no programa: Untar com azeite a colher da medida do mel, assim ele não gruda. Junte a metade da água e 1 xícara (chá) de farinha de trigo. Misture bem e regue com o restante da água e o azeite. Mexa bem até que a mistura fique lisa. Tampe (com um prato) e deixe descansar por 30 minutos.

Fazendo o pão:
Numa tigela grande, misture a farinha e o sal. Junte o fermento e misture bem, com as mãos, até a massa ficar lisa. Nesse ponto, ela fica bem mole e grudenta. Passe a massa para uma superfície bem enfarinhada, mas bem mesmo, e sove por mais ou menos 10 minutos, enfarinhando sempre, até dar o ponto, que é quando a massa desgruda das mãos. Unte a tigela com um pouco azeite e volte a massa para descansar e crescer por 1 hora. Cubra com um pano de prato limpo e úmido.

Cobrindo, montando e assando: 

Ligue o forno a 180ºC (temperatura média), para pré aquecer. Unte uma assadeira com azeite, veja bem o tamanho da assadeira a massa cresce bastante. Passe a massa com cuidado para a assadeira, virando a tigela, embora não pareça a massa está mole.  Unte as pontas dos dedos com azeite e vá fazendo furinhos na massa ao mesmo tempo que espalha ligeiramente na assadeira, fazendo um formato ovalado. Não aperte demais para não tirar o ar da massa, ele tem que ficar lá dentro para não perder a textura. Não cubra todo o fundo da assadeira. Coloque os raminhos (pontinha dos galhos) uniformemente na massa e regue com azeite. Para o alecrim não torrar no forno, passe um pouco de azeite, com os dedos, direto nos raminhos. Moa o sal grosso por toda a superficie. Leve ao forno para assar por 30 minutos ou até que as bordas fiquem douradas.
Focaccia

Sirva logo após sair do forno, o azeite sobre a massa dá uma crocância fantástica!!!
Na receita original que você pode ver clicando aqui, ela acompanha com uma tapenade de azeitonas. Mas uma receita não seria "Ela cozinha, eu conto" se seguissemos tudo a risca (como não fizemos na Focaccia). Então modificamos o acompanhamento e la vai, uma salada super simples, saborosa e refrescante.

Salada Crocante de abobrinhas com mussarela de búfala

Salada Crocante de Abobrinhas e Mussarela de Búfala

Ingredientes:4 ramos de hortelã
1 pimenta dedo de moça
Sal e pimenta-do-reino
1 limão
Azeite de oliva
Abobrinhas com pescoço, prefira umas mais branquinhas
1 pote de mussarela de búfala

Fazendo a salada:
Retire as folhas dos ramos de hortelã, enrole-as como um charuto e corte em fatias finas. Espalhe tudo em uma travessa. Retire o cabo da pimenta dedo de moça, corte-a ao meio e remova suas sementes, em seguida, corte em pequenos cubos e junte com a hortelã, formando uma cama. Corte as abobrinhas, com um descascador de legumes, no sentido do comprimento assim você terá fatias longas e finas. Coloque as sobre a cama de pimenta e hortelã, tempere com sal, pimenta do reino, o suco do limão e o azeite de oliva. Mexa bastante. Para não perder a crocância das aborinhas coloque o limão momentos antes de servir.
Bom apetite!!!

 Clique aqui para ver a receita original do chef Jamie Oliver.

Agora é só se deliciar com essas duas receitas fresquinhas.




Esse é o nosso Bento! Logo logo provando nossas receitas, por enquanto só o leite da mamãe!


1

Bruschetta de Alcachofra com Queijo Roquefort e Pecorino

Bruschetta de alcachofra com roquefort e pecorino
Semana passada aconteceu a FEINCO em São Paulo, a mais importante feira de ovinos e caprinos do ano. Aproveitando o clima, essa semana vamos publicar algumas receitas de produtos ovinos, e hoje o assunto é queijo.
Trabalhamos na exposição a semana toda e entre trabalho, reuniões e negócios, compramos vários queijos de leite de ovelha, tal como no ano passado, se lembram da receita das saladas com queijo feta (clique para lembrar). 
Os queijos de ovelha são reconhecidos como os mais finos do mundo. Os altos índices de gordura e proteínas contidos no leite da espécie, que proporciona condições ideais para a confecção dos queijos. Dois dos mais conhecidos queijos de leite de ovelha são os nossos protagonistas de hoje, o Roquefort e o Pecorino.
O Roquefort é um queijo mofado de origem francesa. Segundo a lenda o queijo foi descoberto por uma menina que abandonou um pedaço de queijo em uma das cavernas da região, e quando voltou dois meses depois ele estava mofado, causado pelo fungo Penicillium roqueforti. A menina provou e gostou do sabor marcante do queijo, a partir daí  muitas queijarias começaram a curtir a iguaria nessas cavernas. Nossa outra estrela de hoje é o queijo Pecorino, este é de origem italiana, este tipo de queijo é feito em varias regiões do país da bota. A nome do queijo, vem de Pecora que significa ovelha em italiano. Existem várias denominações de origem, o mais conhecido é o Pecorino Romano, feito na região de Roma.
Ambos os queijos que a Karina usou são brasileiros portanto são "tipo" Roquefort e "tipo" Pecorino (inclusive denominado Pecorino da Mantiqueira), mas o sabor não fica devendo nada aos originarios do velho continente.
Para unir os sabores de ambos os queijos nada melhor que uma Bruschetta.
A Bruschetta é um antepasto italiano, originario do século XV, que leva um pão tostado com alho, azeite de oliva extra virgem, sal e pimenta. Há muitas variações dos recheios, o mais comum é com tomate, mozzarella e majericão, mas para as bruschettas não há limites para a imaginação e nossa receita ficou sensacional.


Bruschettas e os queijos

Ingredientes:

8 fatias de Pão italiano,
1 dente de alho,
Azeite de oliva extra virgem, quanto baste,
200g de fundo de alcachofras em conserva picadas,
100 g de queijo roquefort,
30 g de queijo pecorino ralado.


Preparo:

Esfregue o dente de alho, cortado ao meio, nas fatias de pão e regue-as com o azeite de oliva extra virgem. Leve-as ao forno pré aquecido a 200 graus, por 5 minutos ou até estarem levemente douradas.
Misture as alcachofras picadas com o queijo Roquefort, coloque o recheio sobre os pães, cubra com Pecorino ralado. Volte as bruschettas ao forno até que estejam completemente douradas e o queijo derretido.
Sirva-as imediatamente.










3

Bolo de Milho Verde direto do milharal


As vezes a Karina tem algumas obsessões com alguns ingredientes, lembram da abobrinha, pupunha... Já contei algumas dessas historias aqui, e o protagonista de hoje é mais um destes. Desde que as lavouras de milho foram plantadas na fazenda da Alta, em setembro, ela já falou: "Logo teremos milho e vou querer umas espigas." Durante esses últimos três meses, quase que diariamente, quando chegavamos a central, ela dizia: "Quando será que vai ter umas espigas boas?" Até que a roça começou a embonecar e as primeiras espigas aparecer e a ansiedade aumentava:"Já tem espiga boa? Pega umas para mim."
E depois de quase 100 dias, achei umas já quase pronta. Agora, que o pessoal da Alta não leia isso, mas trouxe meia dúzia para casa, afinal desejo de grávida é uma ordem. E aí a alegria foi instantânea. Agora a dúvida. O que fazer? Idéia para lá, para cá, e nada. Até que depois de jantarmos, ela dá um pulo do sofá e diz: "Vou fazer um bolo de milho. Sabe daqueles que fica o pedacinho dos grãos. Pois é esse."
E lá foi ela para cozinha, fazer o bolo.  Agora veja a receita, passe no milharal mais próximo e corra pra cozinha fazer o seu.



Ingredientes:

2 xícaras de grãos de milho verde (cerca de 2 espigas)
3 colheres de sopa de manteiga
3 ovos
1 e 1/2 xícara de açúcar
1 xícara de farinha de trigo
1/2 xícara de leite de coco
1/2 xícara de coco fresco ralado grosso
2 colheres de chá de fermento em pó
3 colheres de sopa de açúcar de confeiteiro misturado com 1/2 colher de chá de canela em pó.

Preparo:

Bata o milho em um processador de alimentos até que os grãos fiquem bem picados. Adicione a manteiga, ovos, açúcar, leite de coco e bata um pouco, até que a mistura fique homogênea. Depois acrescente a farinha de trigo e o fermento em pó. Bata rapidamente só para misturar.
Unte uma forma com manteiga e farinha de trigo. Despeje a massa na forma e coloque no forno pré-aquecido a 180º C. Deixe o bolo assar por volta de 30 minutos, ou até que fique dourado.
Depois de desenformar, polvilhe açucar de confeiteiro com canela.