0

Fabrízia metendo a colher - Escalopes de filé mignon com crosta de funghi e batatas ao murro.

E aí pessoal!! Ficamos muito tempo afastados do blog, mas não da nossa cozinha. Agora vamos voltar a todo vapor.
Para variar o nosso menu teremos eventualmente um convidado para meter a colher na nossa panela.
Há algum tempo atrás quando a Karina teve essa idéia, ela logo chamou o seu irmão Danilo, que é um excelente cozinheiro e amante da gastronomia. Depois de algum tempo o Danilo, ligou pra gente. Tá pronto! Vou mandar as fotos e a receita. Mas... a receita é da Fabrízia.
Como? A Fabrízia?
Não seria anormal se até pouco tempo atrás ela não tivesse a menor intimidade com a cozinha. Mas o gosto pela boa comida é algo que pega. E ela pegou. Aos poucos foi se interessando, criou coragem e botou a mão na massa. O Danilo deu as dicas, mostrou alguns atalhos, e agora temos uma nova cozinheira nessa familia de apaixonados pela boa comida.
Hoje é ela que vai meter a colher, confiram e simbora para cozinha. 




Ingredientes:

6 escalopes de filé mignon de  + ou - 5cm de altura
30 g de funghi seco, batido no processador até virar um pó
150g de manteiga
2 colheres de sopa de azeite
 Sal  e pimenta à gosto

Preparo:

Passe a lateral dos escalopes no funghi processado, apertando um pouco para aderir.
Nas bases do escalope tempere com sal e pimenta do reino, moídos na hora.
Em uma frigideira alta aqueça o azeite e a manteiga, frite os escalopes, deixe-os ao ponto, para servir.


Batatas ao murro



Ingredientes:

4 batatas médias
Azeite à gosto
Sal e pimenta, à gosto, moídos na hora
Alecrim para salpicar

Preparo:

Sem descascar as batatas lave-as bem. Cozinhe-as com casca , sal grosso e 2 dois dentes de alho, por cerca de 40 minutos até que estejam macias.
Quando esfriar, dê um murro em cada batata. Elas devem ficar ligeiramente achatadas e abertas. Coloque em uma assadeira e cubra com um pouco de sal grosso, alecrim, pimenta do reino e azeite , leve ao forno alto por 20 min.


Parodiando o velho ditado:  "Cozinhar e coçar é só começar."  Tente você também, quem sabe um dia você  "mete a colher" por aqui!!!

Em tempo: Danilo, vc continua devendo nossa receita.
1

Camarões salteados com arroz de coco - Torne seu dia inesquecível.


Nada como ser casado com uma mulher de tantos atributos na cozinha. Um fim de um dia comum pode ser uma grata surpresa de combinações de sabores, que o podem tornar inesquecível. Essa semana, após chegarmos em casa depois de um dia muito intenso de trabalho, a Karina foi ao nosso freezer, e sacou um camarão que havíamos comprado há algum tempo. Ela pegou aquele pacote de camarão e disse: Vou fazer isso, mas como? Poucos segundos depois o prato estava criado, na cabeça dela. Alguns outros minutos a mais estava tudo pronto e o resultado incrível. Um prato delicioso com camarões e arroz de coco, uma combinação fantástica que tornou um final de dia comum em inesquecível. Agora confira a receita e mãos a obra, garanto que vocês não esquecerão mais disso.  
Ingredientes:
Arroz de Coco
2 xícaras de arroz
1 cebola picadinha
2 dentes de alho picadinhos
1 vidro de leite de coco
Azeite para refogar
Sal a gosto

Camarão
1kg camarão rosa 
Suco de 2 limões
6 dentes de alho grandes picadinhos
1 maço de salsinha picadinha
150 ml de azeite de oliva de boa qualidade
Sal e pimenta do reino moídos na hora

Preparo:
Arroz de Coco
Faça o arroz branco da forma tradicional, refogue a cebola e o alho no azeite, adicione o arroz, refogue por mais alguns minutos.
Na hora de adicionar a água, coloque um pouco menos de água e adicione meio vidro do leite de coco. Quando o arroz estiver quase pronto, mas ainda um pouco al dente, adicione o restante do leite de coco e espere secar um pouco. Fica com uma aparência bem cremosa.

Camarão
Tempere os camarões com o limão sal e pimenta do reino moídos na hora. Deixe por 1 hora nessa marinada.
Aqueça um pouco de azeite em uma frigideira antiaderente e salteie os camarões aos poucos. Repita a operação até acabarem os camarões. Reserve-os.
Aqueça uma quantidade boa de azeite (+ou- 50 ml), e frite os alho picadinho, quando estiver levemente dourado adicione a salsinha e desligue  fogo, despeje sobre os camarões e misture bem.

Montagem:
 Com o auxilio de um aro de metal, coloque o arroz no interior de um prato e acomode alguns camarões por cima. Salpique salsinha picadas ao redor.
5

Torta de escarola - no almoço, na janta ou no lanche.


É pessoal andamos meio sumidos. Na verdade quem andou sumido fui eu. Viajando muito a trabalho e tem faltado tempo de postar as receitas em nosso blog. Mas depois de 10 dias fora, agora é hora de colocar mais uma novidade da cozinha do meu amor. E foi justamente por essa viagem que a receita de hoje surgiu.  Cheguei em casa no meio da tarde, aquela hora que é tarde para almoçar e cedo para jantar, daí minha cozinheira favorita sacou uma torta de escarola deliciosa para um lanchinho de "boas vindas" a nossa casa. Essa receita quem passou foi a Maria (Tatinha como é chamada pela Karina), que é uma amiga da família, que foi baba da Karina e do Danilo desde que eles eram pequenos, e até hoje continua mimando os dois marmanjos. Essa receita saiu de um desses mimos, foi saber que a Karina estava em São João e lá foi a Maria levar essa torta para ela. A Karina gostou tanto que logo anotou a receita para fazer para mim e agora nós vamos passar para vocês.


Ingredientes:

Massa
 2 xícaras de farinha de trigo
 2 xícaras de leite
1/2 xícara de óleo de milho
1 colher de sopa de fermento em pó
2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
1 colher de chá de sal

Recheio
1 maço de chicória
1 cebola cortada em cubos
4 dentes de alho
200g de requeijão( usei o de bisnaga, o culinário)
100g de bacon cortado em cubos (eu não coloquei)
150g de queijo parmesão de boa qualidade ralado
Azeite para refogar
Sal a gosto

Preparo:

Massa
Bata todos os ingredientes no liquidificador, exceto o fermento. Misture o fermento depois que a massa já esteje homogenea, misture delicadamente.

Recheio
Refogue o alho e a cebola com azeite, acrescente a escarola e refogue rapidamente para que não solte muita água.

Montagem:

Em uma forma de fundo removível untada e enfarinhada, despeje 2/3 da massa. Espalhe a escarola por toda a massa e coloque o requeijão por cima. Despeje o restante da massa e leve em forno pré aquecido a 180°C até que fique dourada e assada por completo. 
10 minutos antes de desligar o fogo cubra a torta com o parmesão ralado e volte ao forno até dourar.


3

Flor de Sal, muito mais que um tempero.

Atualmente existe uma nova onda gourmet o que permite o acesso de muitas pessoas a ingredientes, pratos e complementos não habituais na culinária brasileira. E cada vez mais nós vemos por aí: Carne de não sei o que, grão de não sei da onde, com molho de ervas da Conchinchina, entre outros. E muitas vezes nós amantes da boa comida nos pegamos na pergunta. O que é isso? De onde veio? Pra que serve? Como usá-lo da melhor maneira? E com essas perguntas no ar resolvemos escrever uns posts com explicações sobre ingredientes exóticos que vem se tornando habituais nesta modalidade de cozinha. Contaremos hoje a história da flor de sal, e ao contrário do que você possa pensar, não é um sal que dá no jardim, mas uma forma puríssima de manifestação desse ingrediente presente em quase todos os pratos.   
A flor de sal, um presente raro da natureza, é o fruto da perfeita interação entre água do mar, o sol e o vento. Uma iguaria cobiçada pelos grandes chefs e amantes da culinária em todo o mundo. A produção se dá por uma fina camada de sal que fica cristalizada nas superfícies das salinas, e são coletadas manualmente todas as manhãs, originando delicados cristais irregulares de textura crocante, de sabor inigualável e com suave perfume de violeta. Diferentemente do que se faz com outros tipos de sal, a flor de sal  deve ser acrescentada na finalização dos pratos para não perder sua textura, realçando o sabor dos alimentos dando um sabor único em cada prato.
Sem sofrer qualquer tipo de processamento, a iguaria é embalada diretamente após a coleta, esse processo artesanal torna essa preciosidade ainda mais especial, garantindo um produto 100% natural.
A origem da flor de sal está em regiões como o mar da Bretanha, na França, ou as montanhas do Himalaia. Há marcas conhecidas como a Flor de Sal (português) e a inglesa Maldon. A marca francesa Flor de Sal de Guérande, é considerada a melhor do mundo pelos principais chefs. esta Flor é extraída na região da Bretanha, na cidade que batizou a marca. Sua produção toda é artesanal, feita por um número reduzido de famílias na região. Para manuseá-lo utilizam-se apenas instrumentos de madeira, para que não seja contaminado com ferrugem de qualquer metal, o que poderia comprometer seu delicado sabor.
Atualmente é possível encontrar marcas brasileiras no mercado, a potiguar Cimsal é produzida em Mossoró, cidade muito conhecida pela grande quantidade de salinas, e agora também produz esse nobre ingrediente.  
Como dizem os produtores a flor de sal é o “crème de la crème” dos condimentos, e confere um toque sublime à finalização dos pratos, com certeza vocês também irão adorar essa riqueza extraída do nosso habitual ouro branco.
Esta é a marca que usamos em nossa cozinha
Flor de sal produzida no Brasil
6

Tem gente nova na nossa cozinha, felicidade total.


Essa semana recebemos uma das melhores notícias de nossas vidas. Meu amor está com um filho nosso na barriga. A notícia foi motivo de muita emoção e alegria para toda a nossa família e nossos amigos. Acho que dá para imaginar como estamos felizes  na espera de nosso pimpolho que logo estará fazendo bagunça nas panelas da mamãe.
A receita de hoje é o Canapé de Salmão Defumado com Cream Cheese. E sabe o que ela tem a ver com bebês? NADA. Mas não podia deixar de dividir com vocês essa imensa felicidade com a espera de nosso filho. Como postei essa semana no meu Facebook: "Eu não estou me aguentando de felicidade com esse negócio de ser pai".
Voltando a falar da receita, o prato é uma entrada muito saborosa, que combina texturas diferentes e sabores totalmente distintos que se complementam e o melhor é muito fácil de fazer.


Ingredientes


1 abacate cortado em rodelas de 1 cm
100g de fatias de salmão defumado
1 embalagem de cream cheese
Sementes de papola
Cebolinha picadas finamente
Suco de 1/2 limão siciliano
Raspas de 1 limão siciliano

Preparo


Descasque e corte os abacates em rodelas de 1 cm cada. O abacate deve estar maduro porém bem firme.
Misture em um recipiente o suco de limão com as raspas e o cream cheese, misture até homogeneizar, reserve.

Montagem


Monte cada canapé separadamente. Comece por uma fatia de abacate.
Sobre o abacate, ou melhor em toda sua volta enrole uma tira de salmão defumado.
Com o auxilio de duas colheres de sobremesa ou um  saco de confeiteiro, preencha o interior com o cream cheese.
Finalize com a cebolinha e as sementes de papola.

Dica: Eu compro o salmão defumado em embalagens de 150g em fatias bem finas.

6

Parabéns no dia dos Pais - Parte Final - Coalhada Seca


A festa estava muito boa que rendeu duas semanas de receitas. Mas tudo que é bom infelizmente chega ao fim e esta é a última receita de nossa série especial.
A coalhada seca não é um queijo e nem um iogurte, sua consistência fica entre esses dois derivados lacteos. Sua origem é Árabe, mas sua receita se espalhou por diversos países do mundo, desde o Oriente Médio, Grécia até Noruega e México, em cada lugar é chamada por um nome diferente. As receitas também variam entre pratos doces e salgados.
De todas estas receitas que postamos nesta série, a que eu mais gosto é a coalhada seca, a Karina faz uma coalhada como ninguém.

Ingredientes
2 litros de leite integral (não pode ser leite de caixinha, deve ser de saquinho) 
2 potes de iogurte natural de consistência firme

Preparo
1. Coloque o leite na panela e aqueça até atingir a temperatura de 85ºC ou levantar fervura.
2. Deixe o leite amornar até 42ºC, outra maneira de certificar-se da temperatura correta, é colocar o dedo mindinho no leite e contar até dez, se a temperatura estiver suportável, estará no ponto correto.
3. Acrescente os dois potes de iogurte e misture lentamente.
4. Cubra a panela com uma tampa, e embrulhe-a com folhas de jornal ou um cobertor, para que não perca a temperatura rapidamente.
5. Deixe a panela coberta por 12 horas em temperatura ambiente. Eu sempre faço a noite e deixo de um dia para o outro.
6. Retire o jornal ou cobertor e a tampa da panela, neste momento a coalhada fresca está pronta, esta pode ser consumida de diversas maneiras, com frutas, batida com hortelã e sal para molhos, etc.
7. Para a coalhada seca, coloque a quantidade desejada em um filtro de papel ou coador de pano de café e deixe escorrer por mais ou menos 8 horas na geladeira. Eu uso um saco de pano. 
8. Depois deste período a coalhada seca está pronta para ser consumida, na hora de servir adicione sal e um bom azeite extravirgem.

Dica: Quanto mais tempo a coalhada ficar secando mais ácida e consistente ela ficará.



4

Parabéns no dia dos pais Parte V - Carpaccio de Berinjela


Na minha modesta opinião de contador desse blog acho que a berinjela é um ingrediente tão versátil como a abobrinha. A variedade de pratos que se pode fazer com esse fruto é incrível. Isso mesmo a berinjela é um fruto de uma planta arbustiva de nome cientifico complicado Solanum melongena, originária da Índia e pertencente a mesma família do pimentão.
Segundo alguns historiadores, seu cultivo começou como planta ornamental em seu país de origem, há cerca de quatro mil anos tendo chegado à Europa no século XIII pela Península Ibérica, onde ela era muito apreciada.
A receita que passaremos agora é um dos pratos tradicionais feito pela minha sogra, Dona Angelina que como já falei em outros posts também é craque na cozinha e caprichou nesse prato para a festa.
Agora para esclarecer qualquer dúvida: Berinjela se escreve com "g" ou com "j"? As duas formas estão corretas. O Aurélio tráz com "j" e o Houaiss tráz com "g". Mas o que importa é que com G ou J, o Carpaccio de Berinjela da Dn Angelina é incrível.  

Ingredientes
3 berinjelas
2 cebolas cortadas em rodelas
4 dentes de alho picadinhos
Salsinha picadinha
Sal e Pimenta calabresa desidratada a gosto
Azeite extra virgem quanto baste

Preparo
Corte as berinjelas no sentido do comprimento em fatias de mais ou menos 0,5cm. Despreze o primeiro corte (o que só tem a casca). Coloque as berinjelas já cortadas em uma vasilha com água e sal. Isso impede que elas escureçam e também já salga um pouco.
Retire da água e enxugue em um pano de prato.
Em uma frigideira com azeite, grelhe as fatias de berinjelas uma a uma e reserve.
Refogue a cebola e o alho em azeite até que fiquem dourados, reserve.

Montagem
Em um refratário coloque uma camada de berinjela, seguido de uma camada de cebola e alho. Salpique salsinha, sal e pimenta calabresa e regue com azeite. Repita esta montagem até acabar as berinjelas, terminando com cebola e alho, salsinha e pimenta, ao final regue com bastante azeite. Deixe pelo menos 24 horas na geladeira antes de servir.
 
 
6

Parabéns no dia dos pais - Parte IV - Homus


O dia dos pais e a nossa festa já passaram, mas a série "Parabéns no dia dos pais" continuará por mais algumas receitas de acompanhamentos especiais que foram os personagens principais de nosso evento. A festa estava ótima, muita gente se divertindo e provando as iguarias preparadas pela Karina e pelas outras pessoas que colaboraram na elaboração dos pratos.
A receita que continua em nosso pós festa é o homus, ou homus tahine ou ainda musabbaha, que é uma pasta de grão de bico de origem típica dos países árabes do Oriente Médio. Em árabe "homus" siginifica grão de bico. A pasta pode ser feita em diversas formas pelo mundo árabe. A lenda conta que a receita original é do Sultão Saladin, e que esta continua guardada, a sete chaves, pelos seus descendentes até os dias de hoje. Mas são conhecidas diversas outras receitas deliciosas do prato e aí vai nossa preferida.


Ingredientes
500g de grão-de-bico
3 colheres de sopa de tahine (pasta de gergelim)
Suco de um limão tahiti
2 dentes de alho picadinhos
3/4 de xí­cara (180ml) da água do cozimento
Azeite extravirgem e sal  a gosto

Preparo

Ingredientes
500grs de grão de bico
3 colheres de sopa de tahine
Suco de dois limões
2 dentes de alho amassados
¾ xícara água do cozimento
Sal e azeite extra virgem a gosto

Preparo
Cozinhe o grão de bico com água e um tablete de caldo de legumes na panela de pressão por aproximadamente 40 minutos (eu não deixo o grão de bico de molho, por isso cozinho na panela de pressão). Ele deve ficar bem macio e fácil de desmanchar.
Depois de cozido, coloque os grãos com a água no liquidificador. Adicione o suco do limão, o alho, um pouco de sal e um pouco de azeite. Bata. A consistência tem que ser a de um creme, não muito líquida, mas o suficiente para que o liquidificador consiga bater. O tempero pode ser ajustado a gosto, se quiser mais azedinho, ponha mais limão, regule o sal como gosta e se gostar mais picante, ponha mais alho.  
Deixe por algumas horas na geladeira e regue antes de servir com mais azeite. É ótimo para comer com pão sírio, arroz com lentilhas, e também com churrasco.




0

Parabéns no dia dos pais parte III - Antepasto de abobrinha


Ela ama abobrinhas!!! (vocês se lembram disso?)
Considerado um dos ingredientes mais versáteis da cozinha da Karina, já tivemos algumas versões dela aqui no blog, e certamente teremos muitos mais. Agora apresentamos uma versão especial do ingrediente que está e tornando uma iguaria, o antepasto de abobrinha. Personagem essencial desta série será com certeza um dos protragonistas do nosso evento. Vejam a receita e inovem no tira gosto com mais essa receita do "Parabéns no dia dos pais".
Ingredientes:
3 abobrinhas italianas
1 cebola grande picadinha
100g de azeitona verde picadinhas
100g de uva passa preta
100g de uva passa branca
150g de nozes ou castanha do Pará
1 calice de Prosecco
Azeite extra virgem

Preparo:
Rale as abobrinhas no ralo grosso e reserve. Refogue a cebola em azeite até dourar. Acrescente a uva passa preta e branca, a azeitona e a abobrinha ralada. Refogue por cinco minutos ou até que a abobrinha esteje quase totalmente cozida.
Acrescente o Prosecco e deixe evaporar por alguns minutos. Por fim misture as nozes e regue com um bom azeite extra virgem.
Guarde por 24 horas na geladeira antes de servir.



2

Parabéns no dia dos pais. Parte II - Babaganouch

Pessoal ontem não postamos a receita pois nossa internet não estava funcionando.
Agora o problema já foi resolvido e  como prometido ai vai a receita de ontem!
Esta receita quem nos passou foi nossa amiga Ana Maria Munoz, que cozinha muito bem, diga-se de passagem. Qualquer dia ela precisa vir aqui no blog cozinhar para gente.


Ingredientes
2 berinjelas
1 dente de alho picadinho
1 colher de sopa de salsinha picadinha
Suco de 1 limão
3 colheres de sopa de tahine
Sal a gosto

Preparo
Faça furinhos com um garfo em todas as berinjelas e coloque-as individualmente na chama do fogão até a casca escurecer bem.
Corte as berinjelas ao meio e retire a polpa com uma colher, descartando as cascas.
Em um recipiente, coloque o tahine e, mexendo sempre, acrescente o suco de limão, até a mistura ficar pastosa.
Junte o alho picado, a salsinha, a polpa de berinjela, a pasta de tahine e misture muito bem.
Coloque a mistura num processador de alimentos ou num liquidificador para formar uma pasta bem homogênea. Eu já fiz amassando somente com uma garfo e também deu certo.

Montagem
Coloque em uma travessa e enfeite com salsinha. Sirva com pão sírio e azeite.
2

Parabéns no dia dos pais. Parte I - Roletê de abobrinha com tomate seco.


Amanhã o meu amor completa mais uma primavera. Todos os anos fazemos uma festa de aniversário juntos, já que o meu é dia 28/07. Este ano será um pouco diferente, somente vamos cantar um parabéns com a família junto com o almoço de dia dos pais. Ano passado o pessoal gostou demais do cardápio e esse ano vamos repetir o menu. Quase toda a comida será feita pela Karina, mas como uma boa família italiana o que não falta são mãos para ajudar no preparo dos pratos. Cada um já se incumbiu de fazer um, mãe, irmãos e outros parentes já estão com a mão na massa. O prato principal será churrasco de cordeiro e algumas outras carnes para complementar. Uma mesa repleta de acompanhamentos de inspiração árabe, bem abrasileirados.  Postaremos aqui as receitas que a nossa chef já iniciou o preparo. E será assim com uma série de delicias todos os dias, até o dia da festa.
A nossa série especial "Parabéns no Dia dos Pais" começará com o Roletê de Abobrinha com Tomate Seco. Um acompanhamento muito saboroso e que pode ser preparado com antecedência por se tratar de uma conserva. Agora é começar os preparativos e aguardar até a hora da festa. 
Não deixem de nos acompanhar, todos os dias uma receita nova para vocês. Pode sair daqui o seu menu para o domingão dos pais.




Ingredientes:
3 abobrinhas italianas médias
300 g  de tomate seco
3 dentes de alho
Ervas desitradas (orégano, manjericão, tomilho, etc)
Sal e pimenta do reino moídos na hora
Azeite de oliva q.b.


Preparo:
Com um cortador de legumes ou uma faca bem afiada, tire finas fatias da abobrinha no sentido do comprimento. Faça o processo de branqueamento das abobrinhas, esta é uma técnica que consite em provocar o choque térmico nos alimentos. Para isso, coloque-as em água fervente por 2 minutos e em seguida passe-as em água gelada para interromper o cozimento, somente assim você conseguirá fazer os rolinhos. Escorra bem. Pegue uma fatia de cada vez, coloque um pedaço de tomate seco na ponta da fatia e enrole. Posicione os em uma vazilha, um ao lado do outro. Polvilhe as ervas, o sal e a pimenta. Em uma frigideira aqueça o azeite e doure o alho cortado em lâminas. Despeje a mistura sobre os rolinhos, complete com azeite de oliva até a metade dos rolinhos. Está pronto para a hora da festa.
6

Hamburguer de atum, uma alternativa saborosa de um prato tradicional.




Pessoal voltamos de férias e já estavamos com saudades de compartilhar nossas histórias  no blog. Nos desculpe a demora de voltar a escrever, mas depois de 20 dias de passeio, muito trabalho nos esperava. Agora estamos de volta ao nosso ritmo normal e não vamos deixar de partilhar nossas receitas. Passamos nossas férias nos EUA, e voltamos de lá cheios de dicas e histórias de restaurantes e pratos que experimentamos pela terra do Tio Sam, e logo aparecerão por essas linhas. Para começar vamos escrever a receita de um dos mais tradicionais pratos daquelas bandas, o hamburguer.  Segundo a lenda os cavaleiros tártaros moiam carne dura e a temperavam transformando em uma massa que ficava mais macia e fácil de mastigar. Antes de se tornar ícone da culinária americana, ele era um tradicional prato alemão e foram eles que levaram a receita para o Novo Continente.
Hoje não vamos passar a receita do hamburguer tradicional de carne, mas uma variação que foi o maior sucesso, o hamburguer de atum acompanhado com salada de repolho com gengibre. Semana passada fizemos na casa da minha mãe em Botucatu, e aí vai a receita para a minha irmã Ana Helena, que gostou muito e para todos vocês que quiserem experimentar essa delícia que é leve, saudável e nutritiva.

Ingredientes:
700 g de atum fresco (picado na ponta da faca);
3 fatias de pão de forma integral (torrados e triturados);
5 cm de gengibre ralado;
1 cebola cortada em cubos bem pequenos;
Salsinha e cebolinha picados;

Preparo:
Picar todo o atum na ponta da faca em pedaços bem pequenos (como se fosse moída). Junte todos os outros ingredientes em uma bacia grande e misture até formar uma massa homegenea. Modele a massa, com a mão, em pequenos hamburgueres. Frite em uma frigideira bem quente com um fio de azeite.  
Sal e pimenta do reino a gosto.


Salada de repolho e gengibre

                            



Ingredientes:
1/2 repolho rasgado na mão
4 dentes de alho picados
4 cm de gengibre ralado
Suco de 2 limões tahiti
Cebolinha picada
Sal e ajinomoto a gosto
Azeite de oliva

Preparo:
Rasgue as folhas de repolho com as mãos em pedaços pequenos. Tempere com gengibre, cebolinha, sal, ajinomoto, suco de limão, ajinomoto e sal. Em uma frigideira com azeite doure o alho, após estar pronto jogue o azeite quente e o alho dourado sobre a salada e sirva. 


6

Cheese cake - A cara da Big Apple

Pessoal, estamos saindo de férias. Sei que o nosso tempo de serviço aqui no blog não nos dá direito a isso, mas além do mundo da cozinha nossas outras atribuições já estão com o prazo vencido.
Mas não os deixaremos desamparados, antes de viajar (embarcamos hoje), vamos deixar uma receita que é a identidade de onde iremos curtir um descanso. Estamos de partida para os EUA, e não iremos sós, a família inteira da Karina estará conosco. No roteiro primeira parada na Flórida, Orlando, depois mais uns dias em Nova York e também vamos ao casamento da prima dela Letícia, perto de NY. Mas essas histórias vocês poderão acompanhar em nosso outro blog: Lá vamos nóis traveis.
A receita que postaremos a seguir, embora não seja de origem americana é um dos pratos mais consumidos na terra do Tio Sam, o Cheese Cake. Diz a lenda que esse prato surgiu na Grécia Antiga e era muito popular, incluisive os atletas dos primeiros jogos olimpicos em 776 a.C já comiam a iguaria. O prato se tornou conhecido na Europa depois da conquista da Grécia pelo Império Romano. E nos EUA, atualmente é uma sobremesa muito consumida, nós vamos lá conferir e contaremos aqui.
Tomara que a Karina, não leia isso, mas sobremesa não é o forte dela, sempre alguma coisa sai errado, desta vez, a massa queimou um pouquinho mas o Cheese Cake ficou maravilhoso. Confiram a receita abaixo e cuidado fiquem de olho na massa!

Ingredientes:
(base)
1 xícara de chá de bolacha maisena
½ xícara de chá de manteiga sem sal
Manteiga p untar

(creme)
900grs de cream cheese
1 ½ xícara de chá de açúcar refinado
¼ de xícara de chá de farinha de trigo
¾ de xícara de leite integral
4 ovos
1 xícara de iogurte integral
1 colher de chá de extrato de baunilha

(decoração)
Amoras em calda

Preparo:
(massa)
Pré-aqueça o forno a 170°. Misture em um recipiente a manteiga derretida e a bolacha.  Incorpore bem. Forre com as pontas do dedo o fundo da assadeira com a massa de bolachas e leve ao forno por mais ou menos 5 minutos.

(creme)
Coloque em uma batedeira o cream cheese, o açúcar e o leite, bata em velocidade baixa até estar cremoso; acrescente a farinha de trigo e continue batendo acrescentando os ovos um a um esperando cada ovo estar bem incorporado, porém, evitando bater em excesso. Acrescente o iogurte e o extrato de baunilha, cubra a massa com o recheio e leve ao forno em banho Maria por 1 hora à 1 hora e 30 minutos(depende do forno), o centro do cheesecake deverá estar assado porém, não ressecado. Retire do forno e passe imediatamente uma faça na borda da assadeira para que o cheesecake não grude nas laterais. Deixe esfriar por 15 minutos e coloque na geladeira ainda quente. Deixe gelar por 6 horas no mínimo.



6

Spaghetti com tinta de lula e frutos do mar.


Não bastou a surpresa que a Karina me fez no sábado para comemorar o dia dos namorados. No domingo, também teve um almoço bem especial. Acordamos e decidimos que não nos aventurariamos em restaurantes da cidade, que por conta da data, certamente estariam cheios. 
 Fomos pra cozinha e a história se repete. Aqui ela cozinha, eu conto; lá ela cozinha e eu faço qualquer coisa, mas fico lá acompanhando. Fizemos um balanço do jantar do dia anterior e só havia sobrado um pouco do creme azedo, pessoal o creme não estava estragado, é creme azedo mesmo, vejam o post do jantar. Para não falar que não fiz nada, abri um vinho. Decidimos o menu e mãos a obra.
O prato do dia foi um Spaghetti com tinta de lula e frutos do mar. Será que alguém consegue imaginar o que foi isso. Confesso que dá vontade de escrever: "Sem comentários", mas vou comentar. 
Sensacional, o prato como era de se esperar ficou maravilhoso. A combinação de mexilhões, camarões e a massa de tinta de lula e o molho bem leve de creme azedo, foram o complemento que precisavamos para encerrarmos com chave de ouro nosso final de semana.
Claro que o vinho nos acompanhou, na medida certa, até o fim de nosso almoço. Foi um final de semana fantástico e inesquecível. Dá vontade de começar tudo de novo amanhã.

Ingredientes:

½ pacote de massa com tinta de lula
16 mexilhões limpos e sem casca
16 camarões rosa
2 dentes de alho picadinhos
½ cebola picadinha
Suco de 1 limão tahiti
200ml de creme azedo
100ml de vinho branco
6 colheres de sopa de azeite
Sal e pimenta moídos na hora a gosto
Salsinha picadinha

Aqueça a água para cozinhar o macarrão, o tempo de cozimento varia de acordo as instruções do fabricante.
Tempere os camarões com limão, 1 dente de alho, sal e pimenta moídos na hora, deixe marinar por 20 minutos.
Enquanto isso frite a cebola e o outro dente de alho até que estejam dourados, salteie os mexilhões por alguns minutos, adicione o vinho banco e deixe cozinhando por 5 minutos, para que o vinho evapore um pouco.
Escorra os camarões da marinada  e em outra panela saltei - os até que mudem de cor, é bem rápido.
Adicione os camarões aos mariscos e deixe cozinhar por 2 minutos. Adicione o creme azedo e mexa bem.
Escorra o macarrão e misture o molho, sirva imediatamente com salsinha salpicadas.

OBS: Eu usei mexilhões limpos e pré cozidos.


DICA: Caso não tenha tempo para fazer o creme azedo substitua por creme de leite fresco.
2

Glossário Culinário - Gourmandisme

Oi pessoal eu vou me intrometer aqui nesse blog. Hoje eu vou contar uma coisa para vocês. Não é uma história de minhas receitas, essas o Edinho vai continuar contando.
Vou falar de uma dica muito legal que encontrei na internet. Navegando em busca de novas idéias, descobri um blog muito bacana de culinária o Gourmandisme.
Adorei as receitas, a maneira como é escrito, as fotos, enfim um blog bem legal de se acompanhar!!
O que achei muito legal foi o glossário que a  Bruna dona do blog fez. Nele a gente encontra várias expressões muito comuns do mundo da culinária e conhece-las ajuda muito a entender o preparo correto das receitas. 
Entrei em contato com a Bruna e pedi permissão para publicar o glossário dela aqui no Ela cozinha, Eu conto. Espero que gostem.  
Agora deixa eu terminar esse post, antes que o Edinho comece a mexer nas minhas panelas.


Banho-maria - Aquecer ou cozinhar lentamente um alimento, colocando o recipiente em que este se encontra dentro de outro com água e levando-o ao fogo ou ao forno. Ex.: pudim de leite.

Caramelizar - Derreter o açúcar no fogo até obter uma calda escura e grossa. Também significa cobrir o fundo e as bordas de um recipiente com essa calda. Ex.: maçãs carameladas.

Clarificar - Clarear um líquido turvo por filtração ou adição de albumina. Ex.: algumas sopas.

Confit - Modo de cozimento lento de carnes, sobretudo de aves, na própria gordura. É também aplicado a legumes ou frutas, utilizando-se bebida alcoólica, açúcar ou vinagre. Ex.: confit de pato.

Deglaçar - Dissolver em um líquido (água, vinho, caldo) os sucos de alimentos caramelizados no fundo da panela, a fim de fazer um molho. Ex.: carnes. 

Empanar - Passar o alimento na farinha de trigo e no ovo. Ex.: filé de frango empanado.

Emulsionar - Provocar a mistura de um líquido com outro, pelo batimento com força e em velocidade rápida. Ex.: maionese.

Flambar - Regar uma preparação com álcool previamente quente ou aquecido. Ex.: bananas ao rum.

Marinar - Mergulhar o alimento durante determinado tempo (minutos, horas ou dias) em um líquido aromatizado, a fim de temperá-lo. Ex.: frango marinado.

Reduzir - Fazer ferver um molho, caldo ou suco visando diminuir seu volume. Tem como objetivo engrossar o molho, concentrar os sabores e evaporar o álcool. Ex.: risoto.

Saltear - O processo de saltear alimentos consiste na utilização de pouca gordura, fogo forte e movimentos de vai-e-vem, que sacodem os alimentos na frigideira (sautese) para que ganhe coloração por igual e fiquem crocantes. O processo de saltear é sempre rápido. Em resumo, ao saltear os alimentos deve-se fazê-lo com rapidez e usar pouca gordura em uma frigideira já bem quente.

Selar - Dourar rapidamente e em alta temperatura um alimento para que os poros se fechem e o suco seja mantido no interior. Ex.: filé mignon.

Suar - Aquecer os legumes com um pouco de gordura vegetal ou animal e mexer ao mesmo tempo, para diminuir o excedente de água e concentrar os sucos. Ex.: comum com cenouras.

Tornear - Técnica usada para cortes de legumes, uniformizando e padronizando o tamanho e espessura. Ex.: batatas torneadas.